Baixo Guadiana

Recursos Turísticos

 

Rota Dolménica

A província de Huelva é uma das áreas de maior incidência e interesse do sul da Península Ibérica, existindo um abundante número de monumentos megalíticos, mais de 250 sítios ou monumentos, com uma alta diversidade de tipologias construtivas e presença em diversos meios geográficos e geológicos, tantos elementos característicos do megalitismo (menires, estelas-menires, círculos de pedra, etc.) como do megalitismo funerário (dólmens, sepulcros de falsa cúpula e hipogeos). Provêm desde o V ao II milénio A.C.

  • Centro de Interpretação do Dolmen de Soto. No local do Dolmen de Soto criou-se o Centro de Interpretação da Rota Dolménica de Huelva, desenhado numa estrutura subterrânea de forma que não existe impacto visual nesta jazida. Este CI conta com painéis interpretativos interactivos, trípticos informativos e ainda um audiovisual do Dolmen e da Rota dirigidos a todo o tipo de públicos (incluindo escolares). Além do CI e do próprio Dolmen, existem outras séries de elementos interpretativos de grande interesse.
  • Conjunto Dolménico de El Pozuelo. Este conjunto conta com uma excelente interpretação que torna muito atractiva a sua visita. Na actualidade continuam a realizar-se actuações de conservação recuperação e de valorização para o seu uso turístico.

 

Rota do Património Fortificado da fronteira do Guadiana

A Consejería de Cultura a través do sua Delegación Provincial de Huelva, participou como sócio no desenvolvimento do Projecto de Cooperação Transfronteiriça Espanha-Portugal “GUADITER”, desenvolvendo determinadas actuações relacionadas com a valorização dos recursos culturais. Com esta acção pretende-se implementar um itinerário cultural, dotado de conexão e unidade nas duas margens do rio, valorizar o Património Fortificado da Fronteira do Baixo Guadiana e que se apresente uma oferta patrimonial transfronteiriça conjunta.
Neste sentido, além das visitas às fortificações, existem vários centros que serão interpretados com uma dimensão maior e de mais globalidade. Caso de:

  • Centro de Interpretação da Arquitectura Defensiva da Fronteira do Guadiana, situado no Castelo de San Marcos, Sanlúcar de Guadiana e que na actualidade (Abril de 2013) se encontra em reabilitação.
  • Centro de Interpretação Torre Farol de Ayamonte.
  • Centro de Visitantes de Cacela Velha, conhecido como Casa do Pároco.

 

Mértola “Vila Museu”

O centro urbano de Mértola conta com um conjunto de museus que recolhem restos arqueológicos de distintos períodos históricos e património construído, de grande valor cultural e histórico. Além da própria configuração da vila, esta apresenta um conjunto de espaços museológicos que são:

  • Museu da Ermida e Necrópoles de São Sebastião (Núcleo da Ermida e Necrópole de S. Sebastião)
  • Centro de Arte Sacro (Núcleo da Porta da Ribeira – Arte Sacra)
  • Museu de Arte Islâmico (Núcleo de Arte Islâmica)
  • Museu do Castelo (Núcleo da Torre de Menagem – Castelo)
  • Museu do Ferreiro (Núcleo do Ferreiro)
  • Basílica Paleocristã
  • Casa Romana
  • Centro artesanal do tecido (Tecelagem)
  • Casa do Mineiro, em Mina de São Domingos

 

Rede de itinerários ambientais

A Consejería de Medio Ambiente programou um itinerário ambiental que aproveita o importante legado patrimonial e paisagístico existente através de vias pecuárias, multiplicando deste modo as suas possibilidades como corredores ecológicos e itinerários de uso público. Este, foi elaborado no enquadramento do projecto GUADITER.
Contando com mais de 295 km de vias pecuárias e caminhos naturais, enlaça com os municípios fronteiriços do lado espanhol desde Ayamonte até Encinasola, ligando com Portugal através das passagens que tradicionalmente existiram e serve de apoio ao resto dos itinerários culturais e naturais criados ao amparo deste projecto.

 

Outros espaços interpretativos no Baixo Guadiana

Neste estudo, especialmente na margem portuguesa, identificámos Centros de Interpretação ou outros equipamentos públicos de carácter museológico e interpretativo integrados no conjunto de iniciativas ou produtos que por alguma temática ou fio condutor se aglutinam.
Outros espaços interpretativos situados nos concelhos portugueses, sendo:

  • Centro de interpretação do território. Inaugurado em 2009, é um espaço de informação para os visitantes de Castro Marim, dando a conhecer os locais de visita do município. Assim como é um miradouro para a região envolvente, oferecendo uma vista panorâmica de 360º. A gestão é feita pela empresa municipal “novbaesuris”. O centro de interpretação inclui várias rotas turísticas do território (rotas públicas ou de empresas privadas)
  • Ecoteca do Saramugo. Embarcação através da qual se pode conhecer a natureza do Guadiana através da sua navegação. A Associação para a Defesa do Património de Mértola (ADPM) é a promotora deste espaço.
  • Museu do Rio em Alcoutim. Explica-se a história do rio, a sua relação com a actividade mineira, o património natural e cultural relacionado com o mesmo, incluindo os tipos de pesca e as actividades de contrabando características do século passado. Além disso, conta com uma exposição titulada “Barcos tradicionais do Baixo Guadiana”.
  • Ecomuseu “Molino El Pintado” (Ayamonte). Situado em plena marisma, no parque Natural Marisma da Isla Cristina, trata-se de um antigo moinho de maré. O conteúdo gira à volta da marisma, a origem e funções destas infra-estruturas e a historia da personagem que lhe deu o nome, “El Pintado”.
  • Centro de Interpretação da Paisagem da Amendoeira da Serra (Mértola). Inaugurado em 2003, é um ponto de partida dos visitantes que queiram conhecer a diversidade de património natural e patrimonial do território. É gerido pelo ADPM. http://adpm.pt/infraestruturas/centro-de-interpretacao-da-paisagem-da-amendoeira-da-serra-c/geral-4/
  • Centro de Interpretação do Sapal (Marisma) de Castro Marim e Vila Real de Santo António. Situado na Reserva Natural do Sapal de Castro Marim, mostra os recursos naturais, culturais e produtivos deste espaço natural.
  • Museu de São Miguel do Pinheiro (Mértola). Este museu situa-se na freguesia de São Miguel do Pinheiro (Mértola), concretamente perto do Moinho de Vento onde tradicionalmente se fazia o pão. No museu encontram-se os antigos artefactos onde se fazia o pão.
  • Parque Mineiro Cova Dos Mouros (Alcoutim). Neste local podem-se visitar as construções pré-históricas, casas primitivas, utensílios e onde  se podem levar a cabo actividades mineiras, escavações arqueológicas e passeios de burro.
  • Núcleo mineiro do Porto da Laja. Conforma um excepcional cenário do passado mineiro do município, especialmente pelas infra-estruturas, como o embarcadouro do mineral. Desde este núcleo parte a Via Verde do Guadiana, que depois de passar pelo antigo povoado do Sardón, chega até às Minas de Herrerías.
  • Núcleo Mineiro do Pomarão. Povoação pitoresca onde se carregava o mineral nos barcos, a este núcleo chega a Eco pista do Mineiro que é um itinerário que o comunica com o povoado mineiro de Minas de São Domingos.
  • Centro Polivalente de Divulgação da Casa do Lanternim (Mértola) . É a sede do Parque Natural Pulo do Lobo. Ponto de informação do Parque Natural.
  • Museu de Arqueologia situado no Castelo de Alcoutim. Que tem como património histórico objectos com mais de 5000 anos de culturas ancestrais.
  • Museu do Castelo de Castro Marim. Este castelo apesar de ser sido construído na Idade Média descansa sobre restos pré históricos, aferidos pelos vestígios escavados.
  • Museu de Arte Sacra de Alcoutim. Guarda colecções de interesse sobre esta matéria.

 

Outros CI incluídos na Rede da Beturia que serão tidos em conta para a criação da Rota dos CITBG:

  • C.I das Fortificações Abaluartadas da Fronteira com Portugal
  • C.I. da Agua, em El Granado
  • C.I. da Caça (em projecto)

 

Otros recursos