Rotas do Baixo Guadiana

/ Cotidianos paralelos

Quotidianos paralelos: margem esquerda

Tipologia: Por estrada
Distancia: 82 km.    Duraçao: 1 día
Municípios que abrange:
Ponto de Saída: Villablanca (Centro de Interpretação da Dança)
Ponto de Chegada: San Bartolomé de la Torre (Centro de Interpretação das Energias Renováveis).
  • Villablanca (Centro de Interpretación de la Danza): 37.30127,-7.344028
  • El Granado (Centro de Interpretación de La Labranza y La Molienda): 37.52334,-7.413744
  • El Granado (Núcleo Minero Puerto de La Laja): 37.52334,-7.413744
  • San Bartolomé de la Torre (Centro de Interpretación de las Energías Renovables): 37.445392,-7.105515

Nos quotidianos paralelos: margem esquerda o visitante poderá conhecer os aspectos quotidianos dos habitantes do Baixo Guadiana, observando como ao longo da história o aproveitamento dos recursos e tarefas, foram evoluindo com o tempo, passando do tradicional ao contemporâneo. Assim, na margem esquerda do Baixo Guadiana poderemos desfrutar de centros nos quais se interpretam a lavoura e a moagem ou outras formas actuais de aproveitamento do vento como fonte de energia renovável.

Começaremos a Rota em Villablanca, visitando o Centro de Interpretação da Dança, no qual poderá desfrutar do folclore e do património das danças da província de Huelva. A Dança dos Palos está arraigada na alma de Villablanca há mais de quatro séculos pela devoção à sua padroeira e na actualidade goza de uma admiração e respeito que a torna parte dos eventos religiosos mais significativos. É Por tudo isto que o Centro de Interpretação da Dança é um edifício singular e representativo, merecendo estar em Villablanca. A Dança dos Palos serviu de inspiração e deu origem ao Festival Internacional de Danças de Villablanca, declarado de Interesse Turístico pela Junta da Andaluzia.

De Villablanca dirigimo-nos a El Granado. Ali nos espera o Centro de Interpretação da Lavoura e Moagem, situado ao lado de um típico Moinho de Vento. Este Centro é composto por várias estruturas: o moinho, onde  se pode observar como era o seu funcionamento e qual era a sua estrutura; a sua localização e de uma exposição ao ar livre e onde se dispõe um conjunto de utensílios de lavoura e moagem; no centro de interpretação podemos ver a importância e história da agricultura na zona e o seu contexto a nível mundial e as ferramentas que ao longo dos anos se foram utilizando no território.

Também em El Granado, nas margens do rio Guadiana, se situa o Núcleo Mineiro do Porto da Laja, no qual, ainda que não tenha uma exposição ou interpretação evidente, está integrado num cenário da actividade mineira do séc XIX e primeira metade do séc XX, conservando elementos tão espectaculares como o embarcadouro do mineral. Sem duvida, esta actividade mineira moldou a vida e o quotidiano, destas povoações.

Para finalizar a jornada, dirigimo-nos a San Bartolomé de la Torre para visitar o Centro de Interpretações das Energias Renováveis,  no qual se mostra como este território há sido capaz de evoluir no aproveitamento dos recursos naturais, passando, por exemplo, de aproveitar o vento a través dos moinhos da farinha a fazê-lo através de parques eólicos geradores de energia renovável.

Neste sentido, no presente CI realiza-se uma exposição das energias renováveis e suas fontes, transformando a energia eólica como a tipologia mais desenvolvida neste município do Baixo Guadiana.

  • Esta ruta, además del enfoque turístico, podría dirigirse a colegios u otras organizaciones locales de todo el ámbito de actuación del Bajo Guadiana, y del resto de las regiones del Algarve, Baixo Alentejo y Huelva.
  • El bloque temático Cotidianos paralelos se ha articulado en torno a dos rutas (margen izquierda y margen derecha) por cuestiones puramente de accesibilidad física, de forma que puedan realizarse cada una de ellas en un solo día.
  • Esta Ruta se puede realizar durante todo el año, aunque sería recomendable evitar las altas temperaturas del verano.
  • La ruta no se articula mediante un discurso expositivo en el que un Centro nos guía al siguiente.
  • La coordinación entre entidades gestoras de los Centros será de gran importancia en materia de información de horarios y días de apertura, precios, tamaño grupos, etc.

  • Paseo por la Vía Verde del Guadiana (antiguo vía férrea por donde se transportaba el mineral)
  • Molinos de Viento de Villablanca y San Silvestre (los cuales acogen a sendos Centros de Interpretación, “Caminos Naturales” y “Ecosistemas” respectivamente).
  • Centro de Interpretación “Productos de Calidad”, en El Almendro, en el cual se muestra la evolución de la tradición a lo contemporáneo en la elaboración de productos gastronómicos.
  • Festival Internacional de Danzas de Villablanca
  • Feria de las Artesanías, de El Granado
  • Restaurantes: ver web de los tres ayuntamientos